quinta-feira, 21 de maio de 2009

Lágrima


Uma lágrima gelada
Percorre
meu rosto quente
Água
Sal
Carne
Mistura dolorosa
Brotou
Saíu
Para-me nos lábios

Um esgar
um leve toque de língua
Eis que me entra
Boca dentro

Dissolvo-a
Queixa-se

"Porque me soltaste?
Que mal fiz?
Dormia
Tão bem
no teu saco
Lacrimal

Respondo
Com um tríssilabo
" Não fui eu"
Questionou-me
Então? e Porquê?
Argumento
"é o estado de alma"

Já não falo
Já não sinto
Já não ouço

Apenas
Penso
Lembro
recordo

E que recordo?
São vagas
As lembranças


Havia
Um pão
Havia
Um copo
Solidariedade
Não faltava
Uma chama
furtiva
Duma vela
quase apagada
Espreitava
O AMOR
Envergonhada
Ora ardia
Ora apagava
Crepitava
Na lareira
Um resto
De madeira
Curcumida
Uma pinha

Chegou a hora
Partiu
Voltou a lágrima

5 comentários:

Susana Garcia disse...

gosto desse teu poema.
E o video que fiz com ele ficou tão bonito.
Que as lágrimas sem serem de felicidade aconteçam poucas vezes para deixarem esses teus olhos sorrirem.
beijinhos

Margarida Piloto Garcia disse...

O poema merecia o tal video a acompanhar.
Fico a aguardar por mais.

Pelos caminhos da vida. disse...

Não conhecia esse poema.
Ótimo post.

Obrigado por se tornar um seguidor do meu blog,mas apareça pra comentar qualquer dia desses.

Fim de semana de luz.

beijooo.

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho no post de hoje pra vc.

beijooo.

Ana Paula disse...

Entras com força, sentimentos que se agarram e não desprendem e tudo faz sentido. Tens tudo para continuar.
Beijinho